Postagens

vai chover...

Imagem
onde eu morava antes de agora, uma vizinha de baixo colocou uma caixa com livros que ela não via mais sentido em ter. decidiu deixar por um tempo na frente de sua porta, pra que se, por acaso, alguém quisesse algum deles...mainha me avisou, e como fiquei com um pouco de vergonha de ir até lá, subiu as escadas com a caixa nas mãos. alguns romances espíritas, porque o marido tinha mudado de crença; livros que entregaram uma quase antiga graduação em letras...tenho o de latim, alguns de poesia, outros clássicos, dom casmurro..., identificados com um remetente de cajazeiras. o recordações do escrivão isaías caminha , de lima barreto, está entre eles, mas suas marcas são quase todas temporais, e de manuseio. folheando vi o único risco à lápis, de todo o livro, à margem, destacando uma frase logo no início. apenas essa. "O espetáculo de saber de meu pai, realçado pela ignorância de minha mãe e de outros parentes dela, surgiu aos meus olhos de criança, como um deslumbramento." uma e

um livro de quê

Imagem
não tinha percebido, até agora, como 2020 conseguiu se enfiar em vários formatos, menos naquele que costumamos considerar o de um ano. essa massa disforme, composta de atitudes tão horríveis, além de tudo, evidenciou o que vem de dentro, inclusive os incômodos. aquela onda de não saber quem se é, mas saber do que, definitivamente, não gosta. um tempo de tentar entender. minha relação com leituras sempre foi muito entregue ao universo. as tentativas de seguir metas, desde o início condenadas ao fracasso, só disfarçavam a vontade de ter controle sobre alguma coisa nessa vida. ou um tipo de garantia de que iria continuar. não adianta, o que me importa mesmo é ter intimidade com a história. do livro, da leitura, da conversa. lembro que no linha m patti fala muito de listas. preciso de listas pra organizar pensamentos. não são rankings, contagens ou qualquer coisa parecida. servem pra que eu possa lembrar e até perceber o caminho. essa daqui debaixo se transformou num tipo de guia, um álbu

la vida secreta de las palabras

Imagem
quando comecei a escrever aqui, agora, percebi que não tem jeito. acabo mencionando clarice em algum momento. ela apareceu em todos os meus blogs transitórios. tanto que eu não lembrava que há um ano tinha escrito em um deles: aos 41 anos da morte de Clarice, ao seu aniversário e ao tempo em que tenho aprendido a amá-la . era uma foto muito bonita dela e um poema de drummond (talvez eu tenha certa fixação por amizades alheias). " visão de clarice ", o nome do poema.  mais tarde, um dia...saberemos amar clarice .  todo mundo fala. mas desconfio que nunca vou saber.  esse ano de distância. o último livro que li foi um dela. a via crucis do corpo .  eu disse lá que  "nunca consigo traduzir de um jeito racional o efeito que o texto de clarice lispector tem sobre mim. não é totalmente agradável. mas é potente. terminando de ler fiquei pensando em como esse título coube...perfeitamente. essa coisa de morrer:".  essa coisa de morrer... falar de clarice me faz ter vontade d

I didn't write that song

Imagem
queria ser melhor em criar contextos. sei lá, melhorar minha capacidade de sugerir uma conversa. não sei se faz sentido começar dizendo que meu nível de leitura de comentários é muito mais alto que o de qualquer outro gênero. ou que como não sei escrever, leio. mas também escrevo, só que não comentários. desses eu me contento em ser espectadora.  procurei tanto por um vídeo de bowie (que, na minha cabeça, é uma apresentação ao vivo de sound and vision ) por causa daquela mulher. ela dizia que quando sua mãe faleceu, ninguém se preocupou em ligar pra perguntar como ela estava. diferente de quando david morreu. ela tinha perdido seu melhor amigo. também queria encontrar o menino dizendo que seu pai, agora em outro plano, cantava kryptonia pra que ele parasse de chorar e conseguisse dormir.  meus dias são uma coisinha a mais quando esbarro com alguém assim. alguém que se dispõe a estar nesse espaço descoberto se sustentando em fragmentos de vida. percepções, sentimentos, experiências, de

b-side sad/sad

Imagem
until my whole head screams with grinding my teeth desperate to find a single word i can keep any kind of faith any kind of fix in just any kind of world that doesn't make me sick and i keep saying i will but i won't i keep saying i do but i don't and i keep saying i feel but there's nothing to feel just the strange kind of nothing where there used to be me faixa : it used to be me álbum : b-side do the 13th banda : the cure ano : 1996

um perfil literário

Imagem
nessa de aceitar e conviver com uma memória esquecedora ou que seleciona e tende pra um lado meio doido, não muito pragmático, vi a necessidade de elaborar espaços nos quais eu pudesse guardar alguns pensamentos que imaginasse importantes. no caso dos livros, eu fazia isso no meu "perfil pessoal" do instagram, porque considerava a leitura como parte fundamental da minha vida, não ia fazer mal. claro. acho que essas coisas não se separam. mas depois, considerando o meu péssimo manejo com redes sociais, fui ficando com agonia. de saco cheio. apaguei tudo. apaguei conta. depois de um tempão criei uma só pra falar de livros, desconsiderando o meu péssimo manejo com redes sociais. um lugar no qual eu conversava comigo mesma sobre o que lia. mas também gostava da possibilidade de trocar ideia com outras pessoas.  eu tinha a sensação de que não era por ali, mas me baseava naquele direito às tentativas, aos novos começos, às possibilidades, mesmo que já escancaradamente fadadas ao fr

here is one

Imagem
this is a song about not feeling so bad about your mortality when you have true love  jeff buckley, live at the sin-é, new york, ny - july/august 1993 bia vive me perguntando: qual é o meu filme favorito, cacá? minha comida favorita? minha música favorita? assim do nada? tu sabe qual é a minha? eu mesma não sei. dia do rock e eu pensando naquelas conversas que tentam decifrar o que é ser roqueiro, conversas que falam de tudo ser mais sobre postura do que outra coisa. pensando em como consigo dar um jeito de colocar jeff buckley no meio de qualquer assunto. e encontrei solta bem na minha frente a música que mais gosto dentre todas que já conheci nessa vida. com o coração todo mesmo.  all flowers in time bend towards the sun. todas as gravações feitas e até fragmentos dela escondidos em algumas apresentações .  a minha maior queda é pelo dueto. elizabeth fraser é tudo.  foi meu toque de celular por muito tempo. a época em que eu mais queria receber uma ligação e deixar tocando até o fin